sábado, 4 de Fevereiro de 2012

LUANDA - ANGOLA - NOITE DE SÁBADO DE 04 DE FEVEREIRO DE 1961

....
- Vocês deixa o branco chegar perto e ataca como eu ensinei - segredou o « senhor Fernando», empurrando para a sua frente dois dos companheiros, enquanto ele próprio recuava para detrás dum «jota» da composição ferroviária.
Donde é a vinda, a estas lindas horas? - perguntou o cabo em tom amigável, aproximando -se confiadamente, de mãos nos bolsos.
Mas reparando de repente, no cabecilha e na sua pistola-metralhadora, acrescentou, siderado de espanto:
-Ele que raio de história é essa?!
E não teve tempo de dizer mais nada.Um dos bandidos arrancara a catana detrás das costas e atingira -o com uma cutilada na cabeça. E logo outra catanada, vibrada num braço, que lhe fez cair inerte a mão que buscava, no coldre, a coronha da pistola.
Tentou recuar, meio cego pelo sangue que lhe escorria da cabeça e rilhando os dentes a dominar a dor.
- Corre a avisar o Quartel General - Gritou para a sentinela que vinha em seu auxilio - Ai!...
O gemido estertorou-se-lhe na garganta que uma catanada certeira cortara profundamente.
-Às armas - bradou a sentinela. E já carregava sobre os facínoras, de baioneta em riste, quando sentiu que o seu camarada branco, tombado no chão, erguia para ele uma mão convulsa, num esforço derradeiro, a lembrar -lhe a ordem dada. E reparou também que o negro da pistola-metralhadora avançava para ele, convidando:
- Entrega a tua arma e vem combater do nosso lado. Não deves ficar do lado do branco. Tu é preto...
- E tu é burro!- ripostou-lhe com desprezo- Eu não entrego nada. Eu sou soldado português!
Fez novamente menção de carregar à baioneta. Mas repentinamente recuou, em dois saltos bruscos, e largou numa rapidíssima corrida para o jeep do Comandante, bradando outra vez, a toda a força dos pulmões.
- Às armas!...
Passada a momentânea desorientação causada pela imprevista atitude do soldado, os facínoras correram sobre ele. Mas já o jeep arrancava e rompia a grande velocidade, por entre a malandragem que abria caminho, espavorida. Com uma das mãos no volante e a outra a segurar  a velha «Mauser». a sentinela negra ainda viu, no turbilhão daqueles terríveis segundos, o rodopio das catanas de ambos os lados do carro; e sentiu uma dor aguda num ombro; e aguentou o embate de algumas pedradas nas costas; e percebeu vagamente que por cima da porta de armas, na frontaria da Fortaleza, se abria uma janela...
- «É o nosso Comandante que já acordou...»- pensou, contente de verificar que estava dado o alarme. E carregou mais no acelerador, distanciando -se rapidamente dos seus perseguidores.
Atravessou o parque dos minérios, quando ouviu. lá para trás, o estalar secos dos primeiros tiros: era a pequena  guarnição da fortaleza que se batia, resistindo galhardamente ao ataque:
Recordou, por momentos «o nosso cabo», aquele jovial camarada branco, retalhado e sangrento, escabujando no chão, sob as catanas dos assassinos. E acelerou ao máximo, com as mãos crispadas no volante e os dentes cerrados numa raivosa ânsia de chegar depressa.
Ante os seus olhos, desfilavam vertiginosamente as luzes da Avenida Marginal, desdobradas num rosário de missangas sobre o espelho sereno da baía ...... e num ápice, chegou à rua do Esquadrão e travando bruscamente à entrada do Quartel da Polícia, gritando para os guardas de piquete:
- Acudam à Casa da Reclusão! Está a  ser atacada pelos bandidos!
- Como é isso? - perguntou um dos guardas.
Mas já o «jeep» arrancava , em direcção à avenida Álvaro Ferreira, rasgando o silêncio da noite com o roncar do motor.
- Que há?- acudiu a perguntar um soldado cuanhama, quando o carro estacou junto do Quartel General.
- Há um ataque de negros à casa da Reclusão. Avisa o nosso oficial de serviço. Depressa....

Assim descreve Rui Ventura  no seu livro "SANGUE NO CAPIM" do qual transcrevemos este excerto que julgamos brilhante  para fazermos um juízo do início das actividades indepentistas que nos vão levar à luta armada em Angola, até 1974.


O ataque iniciou-se na madrugada de 4 de Fevereiro. O balanço oficial de vítimas foi de cerca de 40 assaltantes e de sete polícias, já que as forças portuguesas, recuperadas da surpresa inicial, neutralizaram com facilidade o ataque realizado com «catanas e varapaus.
Nos dias seguintes, e em especial no dia do funeral dos polícias mortos, os colonos brancos e as forças militarizadas desencadearam violenta repressão nos bairros negros de Luanda, que durou cerca de um mês.
Curioso foi que MPLA, cuja direcção estava exilada em Conacri, reivindicou a acção enquanto a UPA se remeteu ao silêncio. O Conselho de Segurança da ONU foi convocado para apreciar os acontecimentos de 4 de Fevereiro.
A UPA, assessorada por conselheiros americanos, pretendeu aproveitar a oportunidade para conseguir as simpatias mundiais para a sua causa, o que a levou a preparar uma sublevação geral de grande parte região norte de Angola, incluindo São Salvador, Uíje, Dembos, Luanda e Cuanza Norte.
Josep Sanchez Cervelló
in "Guerra Colonial" - Aniceto Afonso e Matos Gomes

SANGUE NO CAPIM ( CENAS DE GUERRA EM ANGOLA ), é da autoria de Rui Ventura, natural de Chaves, e residente na altura, em Angola. Na imagem acima a capa da 4ª edição.
Rui Ventura editou um vintena de livros, todos eles com conteúdo histórico e de elevado interesse.  
SANGUE NO CAPIM, é um deles... leituras que não podemos ignorar

Sem comentários: